WWW.THESIS.DISLIB.INFO
FREE ELECTRONIC LIBRARY - Online materials, documents
 
<< HOME
CONTACTS



Pages:   || 2 |

«Qualquer um que tenha interesse na história do Budismo é levado a perguntar de tempos em tempos se seria verdade que o Buda morreu comendo porco. A ...»

-- [ Page 1 ] --

O Buda morreu comendo porco?

Waley, Arthur

Melanges Chinois et bouddhiques (vol 1931-1932, p.343-354)

Traduzido pelo Upasaka Pundarikakarna

Qualquer um que tenha interesse na história do Budismo é levado a perguntar de tempos em

tempos se seria verdade que o Buda morreu comendo porco. A ideia de que ele poderia tê-lo

feito então vem como uma surpresa para a maior parte dos europeus; já que estamos

acostumados a associar vegetarianismo como parte intrínseca do Budismo. Questionadores com uma curvatura de espírito iconoclasta estão ansiosos para confirmar que Buda foi algo bem diferente do convencional homem santo, forte e ao mesmo tempo pouco pretensioso, enquanto aqueles que têm valorizado a figura de Gautama, o santo, imune a todo apetite e desejo mundano, estão preocupados com uma autoridade segura para a interpretação figurativa da passagem sobre o comer porco[1].

A facilidade com que essa pergunta é respondida depende da extensão das pesquisas do informante. Considerando apenas a própria passagem e unicamente do ponto de vista do Budismo Páli, eu creio que qualquer um não influenciado por pré-concepções românticas sobre a personalidade do Buda pode chegar à conclusão[2] de que as palavras suukaramaddava (macio como porco) são para ser tomadas literalmente.

O quanto antes, contudo, alguém estudar a questão por um aspecto mais amplo e, levando em consideração que os igualmente iniciais[3] documentos hinayana chineses traçam a história da atitude budista em relação ao consumo de carne, toda a questão se torna infinitamente mais complicada e uma resposta confiável torna-se longe de ser fácil de oferecer.

A história da ultima refeição do Buda, como é contada no Sutra Mahaparinibbana (Sutra da Grande Extinção) é bem resumida por E. J. Thomas[4]. Em Pava, Buda esteve no mangueiral do bosque do ferreiro Cunda. Lá, Cunda ofereceu uma refeição de comida excelente, em parte firme e em parte macia, com uma grande quantidade de suukara-maddava. Antes da refeição Buda disse, “Sirva-me Cunda, com o suukara-maddava que você preparou, e sirva com os outros alimentos firmes e macios.” E assim Cunda fez, e depois da refeição Buda disse-lhe para jogar o restante do suukara-maddava dentro de um buraco, pois percebeu que ninguém mais no mundo poderia digerí-lo além do Tathagata[5]. Veio uma doença aguda, com sangue vertente e violentas dores mortíferas, mas Buda conscientemente as controlou... e foi levado para Kusinara.

A palavra ‘suukara-maddava’ não ocorre em nenhum outro lugar (exceto em discussões sobre essa passagem) e o radical -maddava é passível de pelo menos quatro interpretações.

Considerando que venha da raiz de MRD 'macio', cognata com o latim 'mollis', é ainda ambíguo, pois ainda pode significar “partes macias de um porco' ou 'comida macia de porco', ou seja, comida da qual porcos se alimentam.[6] Mas pode ainda vir da mesma raiz de 'moinho' e significar “amassado por porcos”, ou seja “pisado por porcos”. Ainda há um outro significado semelhante a “satisfazer” e, como veremos abaixo um estudioso supôs a existência de um vegetal chamado 'deleite de porcos'.

A questão de se Buda comeu ou não porco, naturalmente se apresentou tanto para a mente leiga como teológica. Na realidade, contudo, nenhum ponto teológico está envolvido. Mesmo especialistas têm compreendido muito imperfeitamente que na história tardia do Budismo, o comer carne seria permitido, sob determinadas circunstâncias extremamente excepcionais. O monge Budista deve abster-se de comer carne se ele 'souber, ouvir ou suspeitar' de que ela teria sido morta especialmente para ele[7]. A atitude permitida era muito rara; por exemplo, era considerado errado para um monge ir a uma casa específica e pedir comida, a menos que ele estivesse doente. Mas ele poderia se o dono da casa dissesse a ele 'há algo mais que você queira pedir?' Então não era, por conseguinte, no mínimo surpreendente que no comentário do Digha-nikaya sobre a ultima refeição do Buda, Buddhaghosha (início do século V) tenha sido conciso ao tomar sukara-maddava como significando porco. Mas o comentário do Udana[8], ao lidar com essa passagem diz: sukara-maddava no Grande Comentário[9] afirma ter sido carne de porco preparada macia e bem oleosa; mas alguns dizem que não seria carne de porco, mas um broto que era pisado por porcos; outros ainda que era um cogumelo que crescia num lugar pisado por porcos; ou ainda tomar isso num sentido de ter o sabor parecido.

Uma primeira impressão ao ler tais explicações 'vegetarianas' é que são puro sofisma, datados de um tempo quando a ideia do Buda comendo carne ter sido tão inaceitável que os comentaristas se viam obrigados a torcer de toda forma o significado da passagem para outro sentido.

Se nenhum outro vegetal com o nome semelhante existiu, então seria quase certo que a explicação do 'cogumelo' seria mera fantasia. Mas Neumann[10] tem mostrado que em Narahari, Rajanigha, dentre os nomes de plantas medicinais, ocorre toda uma série de palavras compostas por 'porco' como primeiro elemento; como sukara-kanda, 'bulbo de porco'; sukara paadika, 'pé de porco'; sukareshta, 'procurado por porcos'. Numa analogia com o passado Neumann é inclinado a tomar sukaramadava como significando 'deleite de porcos' e assume que seria o nome de algum tipo de trufa.





Parece-me que filologicamente, a visão de Neumann tinha muito a dizer, mas não foi suficientemente levada em consideração. Parece perfeitamente concebível que os comentaristas que suspeitaram da 'explicação' da expressão 'porco' estavam realmente melhor informados do que Buddhaghosha. Nomes de plantas tendem a ser locais e relacionadas com dialetos. É bastante provável que uma tal expressão como sukara-maddava signifique 'trufa' em Maghada e isso pode, nos centros mais ocidentais e orientais onde o budismo Pali veio a existir, ter sido inteiramente desconhecido e consequentemente mal compreendido.

Infelizmente o termo, tal como é conhecido, ocorre unicamente nessa passagem e em discussões sobre ele. Nenhuma expressão correspondente em Sânscrito parece existir.

Os Documentos do Hinayana Chinês O relato do falecimento do Buda ocorre no segundo livro do Dirghagama[11]. Tal versão foi traduzida em 412-413 e é, portanto, contemporânea a Buddhaghosha. Ele apóia a teoria 'vegetariana'. Cunda preparou 'um guisado separado de orelhas de madeira que nascem na árvore de sândalo, que o mundo estima como grandes em delicadeza.' 'Orelha de madeira' ainda é uma palavra corrente em chinês para cogumelos que crescem no tronco de árvores.

Fragmentos do Dirghagama em sânscrito ainda existem, mas infelizmente não nessa passagem. Presume-se que a frase sânscrita na capa do tradutor chinês seja Candana ahicchatraka, candanachattra ou algo assim.

Há quatro outras versões do 'Sutra da Grande Extinção', a saber:

1. Nanjio 552, traduzido em 290-306 por Po Fa-tsu.

2. Nanjio 119, tradutor desconhecido.

3. Nanjio 118, falsamente atribuidos a Fa-hsien.

4. Uma longa passagem[12] no Kshurakavastu do Mulasarvastivada Vinaya (traduzido no ano de 710).

Em nenhum desses trabalhos a natureza da comida que Cunda ofereceu é especificada. A passagem é citada no 'Questões de Milinda' (mais ou menos 175); mas em uma seção que que também está faltando nas versões chinesas.

A ideia então, de que o Buda tenha comido carne de porco é completamente ausente do Cânone Chinês e pode nunca ter sequer entrado na cabeça de qualquer budista do extremo oriente até que as escrituras Páli começaram a ser estudadas no fim do século XIX.

Houve, realmente, uma outra ocasião[13] quando o buda aceitou oferta similar. O chefe de família Ugga trouxe alguns sukaramamsa. Aqui novamente o cânone chinês nos falha, pois tal sutra não existe no Ekotaragama ou em qualquer outro lugar. Ninguém, eu penso, jamais sugeriu que sukaramamsa (carne de porco) não signifique realmente porco.

Tudo que foi dito até agora se aplica somente ao Hinayana. Do ponto de vista Mahayana não é apenas uma questão filológica, mas também uma questão de moralidade que está envolvida;

pois para o que nos é bem conhecido das principais escrituras Mahayana, todas proíbem completamente o consumo de carne.

Os primeiros trabalhos contendo tal proibição[14] são o Sutra Mahaparinirvana, uma remodelação do Sutra da Grande Extinção. Quando Fa-hsien visitou a Índia no século V, ele encontrou todo o meio do país (Madhyadesa, ou seja, Magadha e partes circundantes) 'de pessoas que se abstinham de tomar vidas. Não bebiam vinho nem comiam cebolas ou alho...

eles não criam porcos ou aves, nem vendem alimento animal'[15].

Quando Fa-hsien perguntou qual autoridade escritural foi usada para tal proibição absoluta de carne, sem dúvida alguma o Sutra Mahaparinirvana foi citado. E certamente que Fa-hsien teve particular interesse nesse sutra, pois adquiriu uma cópia para si em Pataliputra e foi essa versão que traduziu para o chinês em 417 EC.

Qual foi a origem dessa nova visão sobre a alimentação com carne, o que parece ter surgido em algum lugar por volta do século III?

Uma explicação que me ocorre é a que segue: Os reis Gupta, que neste período reinaram por toda região média do país toleravam o Budismo e às vezes prestavam suporte, eram eles adoradores de Vishnu. Agora, o ascetismo Vaishnava afirma que “deve-se abster de todo tipo de comida de origem animal'[16] e isso pode naturalmente ter ocorrido aos Budistas de dizer 'se mesmo os equivocados Hindus se abstêm da carne, quanto menos devemos nós...' ou algo desse tipo. Tal hipótese encontra confirmação completa no Sutra Lankavatara[17], um

trabalho mais tardio do que o Mahaparinirvana:

'Se mesmo os infiéis em seus tratados heréticos e os Lokayatikas em seus ensinos mundanos e aqueles que caem no erro de considerar os fenômenos quer como permanentes ou como sem duração, como existentes ou não existentes, mesmo tais pessoas proíbem o uso de carne...' E novamente[18]: 'Mesmo magos seculares se abstêm de carne, sabendo que disso depende o sucesso de seu desempenho; quanto mais os meus discípulos na busca do supremo caminho espiritual do Tathagata...' etc.

O Lankavatara tem, de fato, um capítulo especial[19] (Mamsabhakshana) que lida com a proibição da carne. Para justificar tal proibição, ele se refere a cinco sutras[20]: o Angulimata, o Mahanegha, o Srimala, o Hastikakshya e o Mahaparinirvana.

O primeiro é o bem conhecido sutra Hinayana e em sua forma inicial[21], é claro que não contém tal proibição. Ela existe, contudo, numa forma expandida Mahayana e em uma passagem[22] que diz que 'os Budas não comem carne'. A segunda (traduzida em 414-421) contem uma referência muito indefinida[23] para a questão.

A terceira não contém nenhuma referência ao assunto, e é, obviamente citada por engano com o Angulimala. A quarta[24] meramente diz que a eficácia da recitação do fim do sutra depende da abstenção de carne.

É evidente que no tempo em que o Lankavatara foi composto, o Mahaparinirnava era a única escritura que definitivamente proibia a alimentação com carne. Quando então, o Mahayana por si próprio produziu seu conjunto de regras monásticas, teve autoridade para impor o completo vegetarianismo. E de fato, Fan-wang Ching[25], que budistas do extremo oriente considera como a fundação de suas regras monásticas, o comer carne, não como uma falta grave, mas como uma das quarenta e oito 'degenerações leves'. Isso é considerado menos grave do que, por exemplo, perder o controle.

Mas voltando à questão da última refeição do Buda, vimos que filologicamente não há razão pela qual sukara-madava não ser realmente o nome de uma raiz ou cogumelo. E certos de que esse era o significado original, é bastante compreensível que depois que o centro do Budismo se deslocou do oeste para o sul[26], seu sentido original pode ter se perdido.

Se o Budismo Hinayana via o consumo de carne com horror, os comentadores dos sutras encontrariam-se numa posição desconfortável. Realmente, contudo, não tiveram (como podemos ver) nenhum preconceito e foi relativamente fácil para eles aceitar o termo sukaramaddava como carne de porco. Os 'outros comentadores' que mantiveram que foi preparado um vegetal, mantinham tal hipóteses não como teólogos desonestos, mas meramente como pessoas que vieram de alguma parte da Índia onde o termo sukara-maddava no sentido de um vegetal ainda era corrente. Eu desconheço qualquer argumento que pode tornar tal hipótese insustentável.

A alternativa é supor que, apesar de não haver nenhum trabalho Hinayana que contenha qualquer proibição geral da alimentação por carne, o sentimento em favor do vegetarianismo, que prevalecia no mundo[27], afetou tanto o budismo Hinayana quanto o Mahayana, com o resultado de que certos comentadores se chocaram com a ideia do Buda comer carne de porco e criaram uma fantasiosa interpretação para a passagem. O mesmo sentimento, deve-se supor, é responsável pela substituição do cogumelo pelo porco na versão chinesa.

Creio que a segunda teoria envolve muito mais suposições infundadas do que a primeira. Mas no estado atual de nosso conhecimento, ambas me parecem razoáveis. O interesse no questionamento acima, apesar de seu resultado negativo, reside na imagem oferecida do método pelo qual o Budismo se adaptou à correntes de pensamento e sentimento em completo contraste com o Cristianismo. Sempre, sob influência de um ambiente novo ou pensamento criativo individual, os budistas eram atraídos por um novo ponto de vista, eles sentiam necessidade de investir nesse ponto de vista com alguma autoridade escrita. Assim, desde que a religião tornou-se um organismo vivo, suas escrituras continuaram a se expandir e o Tripitaka em sua forma Hinayana e Mahayana são em si próprios uma história do Budismo.



Pages:   || 2 |


Similar works:

«Unrevised transcript of evidence taken before The Select Committee on Secondary Legislation Scrutiny Inquiry on GOVERNMENT CONSULTATION PRACTICE Evidence Session No. 1 Heard in Public Questions 1 9 TUESDAY 19 JANUARY 2016 4 pm Witness: Rt Hon Oliver Letwin MP USE OF THE TRANSCRIPT 1. This is an uncorrected transcript of evidence taken in public and webcast on www.parliamentlive.tv. 2. Any public use of, or reference to, the contents should make clear that neither Members nor witnesses have had...»

«SMART ARM-based Microcontrollers AT07685: CPU Usage Demonstration using DMAC Application APPLICATION NOTE Description ® Direct Memory Access Controller (DMAC) in Atmel | SMART SAM D11 enables transfer between memories and peripherals and thus off-loads these tasks from the CPU. It enables high data transfer rates (using AHB clock) with minimum CPU intervention and frees up the CPU time. This application note demonstrates the CPU usage when an application is designed with and without DMA. The...»

«“Relevant information only, please.” Board Papers Recently as part of a board performance review we viewed two sets of board papers. Both were extensive but one was huge, approximately 900 pages, including the minutes of an audit committee meeting. Compare this with the (real or mythological) edict of the late Australian magnate Kerry Packer to his executives that reports to the board should be no more than one page. This instruction wasn‟t premised on any suggestion that Packer was lazy...»

«12/12/06 Embassy Christian Center Ushers Handbook Our mission: To maintain a welcoming and orderly environment in which people can safely come together to receive the Word of God. TABLE OF CONTENTS Overview Purpose/ Mission Org Chart Arrival times Assignments Roles Head Usher Co-Lead Ushers Ushers in training Requirements Pre-requisites Requirements Department values Responsibilities Before Service Clear/ Close off areas Armor Bearer Meeting & Greeting Maintain Order Food and Drinks Overflow...»

«Surfaces, holes, shadows Roberto Casati To cite this version: Roberto Casati. Surfaces, holes, shadows. Routledge Companion to Metaphysics, Routledge, pp.382-388, 2009, 36. ijn 00440862 HAL Id: ijn 00440862 https://jeannicod.ccsd.cnrs.fr/ijn 00440862 Submitted on 12 Dec 2009 HAL is a multi-disciplinary open access L’archive ouverte pluridisciplinaire HAL, est archive for the deposit and dissemination of scidestin´e au d´pˆt et ` la diffusion de documents e eo a entific research...»

«CAUSALIDAD DE LOS ACCIDENTES DE TRABAJO David C. Berruezo Varela Responsable de Formación en TUSGSAL Colaborador como Técnico Superior PRL en TUSGSAL Especialidades de Psicosociología – Ergonomía y Seguridad 647.83.10.99 dberruezo@tusgsal.es ABSTRACT Este trabajo analiza la importancia del conocimiento de las causas que originan los accidentes de trabajo, como herramienta de mejora al Sistema de Gestión de la Prevención, dándole una importancia extraordinaria a la investigación de...»

«  Utah Wild Turkey Management Plan State of Utah Department of Natural Resources Division of Wildlife Resource Approved by the Utah Wildlife Board June 5, 2014 1      Table of Contents: I. PURPOSE OF THE PLAN  A. General  B. Dates Covered  II. SPECIES ASSESSMENT  A. Natural History  1. Subspecies Description  a. Merriam's Turkey (Meleagris gallopavo merriami)  b. Rio Grande Turkey (Meleagris gallopavo intermedia)  c. Intermediate Subspecies ...»

«Feb-March Three Parish Magazine The Letter from the Vicarage I came across this story some time ago. “A chairman decided that his company would sponsor a number of concerts in the town as a marketing exercise. The first concert they sponsored was Schubert’s Unfinished Symphony. Unfortunately the chairman had a prior engagement on the opening night and so gave his ticket to the Head of the Personnel Department. The next morning the Chairman asked him how the concert was and the Head of...»

«Issue 95-88 May 8, 1995 COMMISSXON ANNOUNCEMENTS COMMISSION MEETINGS CHANGE IN THE MEETING: TIME: CHANGE The time of the open meeting scheduled for Wednesday, May 10, 1995, has been changed from 10:00 a.m. to 9:00 a.m.The subject matter of the open meeting will be: Consideration of whether to adopt: (i) Rule 434 and amendments to existing rules and forms under the Securities Act of 1933, the Securities Exchange Act of 1934 and the Investment Company Act of 1940 in order to facilitate prospectus...»

«distressed company alert the a division of new generation research, inc. VOLUME 13, NO. 22 | MAY 29, 2015 New Generation Research’s weekly newsletter that monitors and reports on companies showing signs of financial distress.PAGE COMPANY CATEGORY 4 Denver Parent Corporation (Venoco, Inc.) Distressed Debt Exchange 5 FTS International, Inc. Low Rating 6 Midstates Petroleum Company, Inc. Distressed Debt Exchange 7 Molycorp, Inc. Miscellaneous 8 Penn Virginia Corporation Low Rating 9 Sabine Oil &...»

«WP/07/291 Use of Participatory Notes in Indian Equity Markets and Recent Regulatory Changes Manmohan Singh © 2007 International Monetary Fund WP/07/291 IMF Working Paper Monetary and Capital Markets Department Use of Participatory Notes in Indian Equity Markets and Recent Regulatory Changes Prepared by Manmohan Singh1 Authorized for distribution by Udaibir Das December 2007 Abstract This Working Paper should not be reported as representing the views of the IMF. The views expressed in this...»

«PAPERS OF MYRON C. TAYLOR 1933 1954 Franklin D. Roosevelt Library Hyde Park New York December, 1973 Prepared by: FMS Taylor, MYron C. Papers, 1933-1952 AGENCY RESTRICTIONS None SECURITY CLASSIFIED DOCUMENTS This collection contains documents that are restricted in accordance with Executive Order 10501 as amended. DONOR RESTRICTIONS None February 13, 1973 Papers of MYRON C. TAYLOR 1933-1952 Accession Numbers: 55-17, 57-3, 57-7 The papers were donated to the Library by Mr. Taylor. This material...»





 
<<  HOME   |    CONTACTS
2017 www.thesis.dislib.info - Online materials, documents

Materials of this site are available for review, all rights belong to their respective owners.
If you do not agree with the fact that your material is placed on this site, please, email us, we will within 1-2 business days delete him.